20. Oração

Uma meditação poética, uma poesia ao meditar… A oração é uma forma de gratidão em ação!

Práticas de oração e devoção são essenciais à vida espiritual druídica. Recitadas em voz alta ou silenciosamente, a oração flui através de uma conversa sincera com os Deuses, que também pode ser aos ancestrais ou aos espíritos da terra, para agradecer as bênçãos do dia, o alimento sagrado ou a força extra para enfrentamos à jornada.

A vibração da palavra entoada, tal como um mantra, cria uma forte energia de comunhão com o divino, emitindo irradiações de harmonia e reciprocidade entre os mundos, ao ponto de despertar a consciência para a grandiosidade do cosmo em nós, assim como uma pedra ao ser atirada nas águas calmas de um lago, criando ondulações que vão aumentando gradativamente em torno do centro. Assim funciona a oração, ao romper as barreiras do imaginável.

A palavra oração vem do latim “orare” e pode ser direcionada aos Deuses patronos de afinidade ou aos Deuses regentes da estação, conforme nossas necessidades e que podem mudar com o passar do tempo. As orações não precisam ser limitadas, cada um de nós é livre para criá-las, seja durante as práticas diárias ou durante aas celebrações do ano.

No caminho druídico pensamos que orar não é apenas um ato de agradecer, mas uma troca com as divindades, que além de expressar o sentimento de gratidão também nos ajuda a manter o equilíbrio físico, mental e espiritual. Podemos proferi-las em suas línguas de origem, mantendo a força da vibração da palavra original como acontece, por exemplo, no Xintoísmo ou no Reconstrucionismo Celta, que busca resgatar as línguas celtas; e até mesmo com a influênica cristã na inspiração dos textos de Carmina Gadelica ou compor uma oração pessoal em nossa língua materna.

Particularmente, adoro o gaélico, apesar de ainda estar longe de conseguir recitar alguma oração completa nessa língua. Faço os meus agradecimentos de forma espontânea e intuitiva, que em comum ao druida Endovelicon, também utilizo a versão traduzida da seguinte oração:

Altú Págánach (Bênção Pagã)

“Na presença do meu povo,
Desde o começo da vida,
Na visão dos Deuses
E dos não-deuses,
Em homenagem à imensa
Generosidade do universo,
Eu agradeço a minha parte.”

Outro ponto que acho importante ressaltar é a mania que as pessoas têm de querer rezar para alguém. Isso é algo bem delicado e acaba criando a imagem de que o outro é fraco ou incapaz de fazer as suas próprias orações, além de entrarmos naquela velha dicotomia, mas isso não significa que você não pode mandar vibrações de cura à outra pessoa quando necessário e se for do agrado dela. A oração e as bênçãos são práticas muito comuns na cultura céltica.

Então, pratiquem e façam suas orações do coração e se expressem livremente em voz alta, mas como diz a minha mãe: rezem só não gritem, pois os Deuses não são surdos! (risos).

Rowena A. Senėwėen ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com
Todos os direitos reservados.


Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon : Caer Siddi e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.