A Viagem de Bran Mac Febal – Parte 2

Em seguida, a mulher partiu do meio deles, enquanto eles não sabiam de onde ela viera. E ela levou seu ramo consigo.

O ramo saltou da mão de Bran para a mão da mulher e não havia força na mão de Bran para segurar o ramo. Então, no dia seguinte, Bran saiu para o mar. O número de seus homens era três companhias de nove. Um de seus irmãos adotivos e companheiros foi colocado no comando de cada grupo de nove. Quando ele havia estado no mar por dois dias e duas noites, viu um homem numa carruagem vindo em sua direção pelo mar, esse homem também cantou-lhe trinta estrofes e apresentou-se-lhe e disse que era Manannan, o filho de Lir, e disse que lhe cabia ir à Irlanda depois de longos séculos e que um filho lhe nasceria, o próprio Mongan, filho de Fiachna – esse era o nome que ele teria.

Assim, cantou-lhe estas trinta estrofes:

“Bran julga uma admirável beleza
em seu barquinho pelo mar:
enquanto para mim, em minha carruagem que vem de longe,
é um campo florido em que ele viaja.

“O que é um evidente mar
para o leve barco com proa em que Bran está,
que é uma feliz campina com profusão de flores
para mim da carruagem de duas rodas.

“Bran vê a quantidade de ondas quebrando pelo mar límpido:
eu próprio vejo em Mag Mon
flores de pétalas vermelhas sem defeito.

“Cavalos marinhos resplendem no verão
até onde Bran estendeu seu olhar:
rios vertem de uma torrente de mel
na terra de Manannan, filho de Lir.

“O reflexo do alto-mar onde estás,
o branco matiz do mar onde remas,
amarelo e anil estão espalhados,
é terra e não é acidentada.

“O salpicado salmão salta do ventre
do branco mar para onde olhas:
são novilhos, são cordeiros,
com amizade, sem mútua matança.

“Embora (somente) um auriga seja visto
em Mag Mell de muitas flores,
há muitos corcéis em sua superfície,
ainda que não vejas.

“O tamanho da planície, o número da multidão,
cores resplendem com pura glória,
um claro fluxo de prata, tecidos de ouro,
proporcionam bom acolhimento com toda abundância.

“Um belo jogo, maximamente agradável,
eles jogam, sentados sob a exuberante vinha,
homens e amáveis mulheres sob um arbusto,
sem pecado, sem crime.

“Ao longo do alto de uma árvore flutuou
teu barco através de cumes,
há uma árvore de belo fruto
sob a proa de teu barquinho.

“Uma árvore com flor e fruto
onde está o genuíno perfume do vinho,
uma árvore sem decadência, sem defeito,
onde há folhas de matiz dourado.

“Somos do princípio da criação,
sem velhice, sem o acabamento da terra,
por isso não esperamos que haja fraqueza,
o pecado não veio para nós.

“Um mau dia em que a Serpente chegou
ao pai em sua cidade!
Ela perverteu os tempos neste mundo,
assim veio a dissolução, que não era original.

“Pela ganância e luxúria ele nos matou,
Por meio dos quais ele arruinou sua nobre raça:
O corpo sem vida partiu para o recôncavo do tormento
E perene morada da tortura.

“É uma lei do orgulho neste mundo
acreditar nas criaturas, esquecer Deus,
a destruição por doenças e velhice,
a devastação da alma pela ilusão.

“Uma nobre salvação virá
do Rei que nos criou,
uma alva lei virá pelos mares;
além de ser Deus, ele será homem.

“Esta forma que tu vês
virá a tuas terras;
cabe-me viajar à casa dela,
à mulher em Line-Mag.

“Pois é Manannan, filho de Lir,
da carruagem na forma de um homem,
de sua descendência virá em pouquíssimo tempo
um brilhante homem num corpo de branca argila.

“Manannan, o descendente de Lir, será
um potente companheiro de leito para Caintigern:
ele será chamado a seu filho no belo mundo,
Fiachna o reconhecerá como seu filho.

“Ele será a delícia dos habitantes de cada monte encantado,
será o predileto de cada terra agradável,
tornará conhecidos segredos – uma rota de sabedoria –
no mundo, sem ser temido.

“Ele ficará na forma de cada animal,
no mar azul e na terra.
Será um dragão ante exércitos na batalha,
será um lobo de toda grande floresta.

“Será um cervo com chifres de prata
na terra onde carruagens são conduzidas,
será um salmão salpicado num lago cheio,
será uma foca, será um cisne branco brilhante.

“Ele atravessará longos séculos
e centenas de anos em bela realeza,
ele derrubará batalhões – uma cova duradoura -,
ele avermelhará escudos, uma roda na estrada.

“Será próximo a reis com um campeão
que ele será conhecido como valente herói,
nas fortalezas de uma terra nas alturas
De Inslay enviarei um fim estabelecido.

“Alto eu o colocarei com príncipes,
ele será sobrepujado por um filho do erro;
Manannan, filho de Lir,
será seu pai, seu mentor.

“Ele ficará – curto será seu tempo –
cinqüenta anos neste mundo:
uma pedra-do-dragão do mar o matará
na luta em Sen Labor.

“Ele pedirá uma bebida de Loch Ló,
enquanto olha a torrente de sangue,
a branca multidão o tomará sob uma roda de nuvens
para a assembléia onde não há tristeza.

“Rapidamente, então, que Bran reme,
não distante da Terra das Mulheres,
Emain com nuances de hospitalidade
alcançarás antes do ocaso.”

Logo após, Bran o deixou. E ele viu uma ilha. Remou em volta dela e uma grande multidão estava olhando embasbacada e rindo. Estavam todos olhando para Bran e seus companheiros, mas não paravam para conversar com eles. Continuavam a explodir em risos diante deles. Bran enviou um do seu povo à ilha. Ele se misturou aos outros e ficou rindo deles como os outros homens da ilha. Ele continuou a remar ao redor da ilha. Sempre que seu companheiro passava por Bran, seus camaradas o chamavam. Mas ele não conversava com eles, somente os olhava e ficava boquiaberto. O nome dessa Ilha é Ilha da Alegria. Após isso, deixaram-no ali.

Não muito depois, chegaram à Terra das Mulheres. Viram a líder das mulheres no porto. Disse a chefe das mulheres: “Vem até aqui e, ó Bran, filho de Febal, bem-vinda é tua chegada!” Bran não se aventurou a ir até a margem. A mulher lançou uma bola de fio bem no rosto de Bran. Bran pôs sua mão na bola, que grudou na palma. O fio da bola estava na mão da mulher e ela puxou o barco em direção ao porto. Depois, eles entraram numa casa grande, onde havia uma cama para cada casal, três vezes nove camas. A comida que era colocada em cada prato não desaparecia dele. Pareceu-lhes que havia um ano que estavam ali – ocorre que fazia muitos anos. Nenhum gosto lhes fazia falta.

A saudade de casa tomou um deles, o próprio Nechtan, filho de Collbran. Seus parentes insistiram em pedir a Bran que voltasse à Irlanda com eles. A mulher disse que sua partida lhes traria arrependimento. Entretanto, eles foram e a mulher disse que nenhum deles deveria tocar a terra e que eles deveriam ir e apanhar o homem que haviam deixado na Ilha da Alegria.

Então, eles viajaram até chegarem a uma aglomeração de pessoas em Srub Brain. Os homens lhes perguntaram quem vinha pelo mar. Disse Bran: “Sou Bran, filho de Febal”, falou ele. Porém, os outros disseram: “Não sabemos quem é esse, mas a Viagem de Bran está em nossos antigos relatos.”

Nechtan então saltou do barco onde estavam. Assim que tocou a terra da Irlanda, imediatamente virou um monte de cinzas, como se houvesse estado dentro da terra por muitas centenas de anos.

“Para o filho de Collbran, grande foi a tolice
de erguer sua mão contra o tempo,
sem ninguém para lançar uma onda de pura água
sobre Nechtan, filho de Collbran.”

Depois disso, às pessoas na aglomeração Bran contou todas as suas aventuras, desde o começo até aquele momento. E ele escreveu essas estrofes em Ogham e disse-lhes adeus. E, a partir dessa hora, suas perambulações são desconhecidas.

Texto original: Imram Brain maic Febail – 2

Leia: A Viagem de Bran Mac Febal – Parte 1

Bellouesus Isarnos
Assim, considera-te recepcionado, com meus votos de encontrares aqui algo que desperte teu interesse ou, na pior das hipóteses, não te entedie.

Bellodunon:
www.bellodunon.wordpress.com
Nemeton Beleni:
www.nemetonbeleni.wordpress.com


Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon : Caer Siddi e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.