Rowena Aranrot

"O meu fim é o meu começo."

Publicações do autor

20. Teixo (Iodhadh/Yew = I)

O Teixo simboliza o conhecimento duradouro, a comunicação, a herança ancestral, a morte e o renascimento. É considerada a árvore da experiência, associada a Samhain. Presságio: o que perdura além do tempo. I, Iodhadh  >+++++< Teixo – A Árvore do Tempo Pronúncia: Ee-yoh Tradução: Teixo Nome científico: Taxus Braccata Irlandês: Iúir Galês: Ywen Inglês: Yew …

Continue lendo

Família: Aicme na Forfeda

As “letras extras” são chamadas de ditongos vocálicos e reorganizadas posteriormente por oghamistas. Neste estudo, iremos nos conectar de forma poética às cinco Forfeda como se fossem chaves que abrem portais de sabedoria, apresentadas no “Lebor Ogaim” e nos textos modernos, apesar das questões problemáticas das suas associações. A família Aicme Forfeda, provavelmente, representa sons que …

Continue lendo

O Quinto Aicme – Forfeda

Apesar dessas letras adicionais não serem encontradas em nenhuma das inscrições em pedra, o Auraicept na n-Éces os inclui em algumas das listas do Ogham, mas as ignora em outras. E conforme descreve a reconstrucionista Eryn Rowan Laurie, usar o Forfeda enriquece a nossa experiência oracular. Forfeda (“letras adicionais”, forfid no singular) – são o …

Continue lendo

Divindades e o Ogham

O Liber Ar(d)machanus (“Livro de Armagh”), também conhecido como Canoin Phatraic (“Cânon de Patrício”), é um manuscrito irlandês do séc. IX que contém textos em irlandês antigo e latim. Um desses textos chama-se Collectanea (Coleções), de autoria do bispo Tírechán (séc. VII), em que se narra a vida do bispo Patrício. Nesse texto, a palavra irlandesa síde é traduzida pelo latim dei …

Continue lendo