Coelbren: o Alfabeto Bárdico Galês

Seja este conjunto de signos o autêntico perdido alfabeto dos bardos da Bretanha como propõe Iolo Morganwg (nome bárdico de Edward Williams) em seus manuscritos do século XVIII ou então classificado muitas vezes pelos acadêmicos como fictício e falso, devemos nos ater a uma questão: o Alfabeto Coelbren foi um importante instrumento na valorização da cultura e língua galesa e é para o Druidismo Moderno uma inquestionável fonte de conhecimento, sabedoria e magia. Nesse artigo pretendo realizar uma introdução ao alfabeto bárdico através uma breve resenha da leitura do livro The Coelbren Alphabet: the forgotten oracle of the welsh bards, do renomado autor, filósofo e druida John Michael Greer.

O Dólmen, um portal para o Antigo Coelbren dos Bardos

O livro citado acima é recente e foi publicado em 2017 pela editora Llewellyn Publications. Só a capa dele nos faz adentrar por uma janela ou portal onde símbolos dançam a nossa frente e parecem tangíveis, já que antes estavam esquecidos e silenciados. Está dividido em uma introdução, cinco capítulos muito bem escritos, apêndices, bibliografia e índice, de forma que nos concede um verdadeiro mapa com muitas informações a respeito do assunto abordado. É uma ótima e muito completa referência histórica e prática para quem quer aprender um pouco mais sobre oráculos de origem e matriz cultural céltica.

John Michael Greer é um importante autor de mais de quarenta e cinco livros (inclusive algumas obras premiadas) – um maçom, estudioso de mistérios antigos, iniciado na Ordem Hermética da Aurora Dourada e na OBOD – Ordem dos Bardos, Ovates e Druidas, foi arquidruida da AODA – Antiga Ordem dos Druidas da América. Alguns títulos importantes desse autor lidos por muitos druidas, pesquisadores e curiosos são: The Handbook of DruidryThe Celtic Golden DawnThe Druid Magic HandbookThe Druid Grove HandbookEncyclopedia of Natural MagicThe Mysteries of MerlinGreen Wizardry, entre outros. Seus temas nem sempre são druídicos, místicos ou esotéricos, sendo Greer uma importante voz intelectual na atualidade sobre temas como sociedade pós-moderna, ecologia, UFO e muito mais.

Uma breve introdução histórica

Formas de escrita são comumente estudadas e utilizadas por diversos tipos de doutrinas esotéricas pelo mundo.  Círculos de ensinamento sejam eles fechados, semi-abertos ou abertos ao público, escrevem seus mistérios através de códigos destinados aos membros para que possam compreender-se entre si e formem uma identidade simbólica, seja através de gestos, insígnias, sigilos, etiqueta, ritos. A Kabala usa o alfabeto hebraico, os alquimistas se utilizaram de um alfabeto próprio, muitas tradições nórdicas envolvem as runas na sua mística, os sufi se utilizam da bela caligrafia árabe, os hindus do sânscrito e muitas filosofias e espiritualidades no espectro oriental (como o Xintoísmo e o Tao) se utilizam de ideogramas para expressar o sagrado.

Isso não é diferente no caminho druídico. Um conjunto de símbolos largamente utilizado pelos druidas modernos, por exemplo, é o irlandês Ogham, muitas vezes referenciado como “o Alfabeto das Árvores”. Composto de 25 símbolos com significados ligados aos estudos linguísticos célticos dentro do universo irlandês, representando árvores da paisagem europeia presentes nos mitos celtas. Encontram-se muitos megálitos com inscrições em Ogham em regiões como Irlanda e Ilhas Britânicas. O principal registro medieval é o Livro de Ballymote, datado do século XII. Hoje muitos praticantes do druidismo moderno se fiam no Ogham como uma forma de busca do autoconhecimento, dos arquétipos das árvores sagradas para o mundo celta e da arte da profecia. Porém, o Ogham não é o único alfabeto de origem na referencia cultural céltica – o Coelbren dos Bardos é outra importante fonte de sabedoria, inspiração e conexão.

Este alfabeto nasce entre o século XVII e XVIII, quando o galês estava prestes a ser classificada como uma língua extinta – e havia interesse imperialista nisso, já que para os ingleses a sobrevivência das línguas celtas representava um passado bárbaro e cheio de contradições, aspecto que devia ser silenciado na história daquele país. Uma explicação possível a ser refletida aqui é que os povos considerados ágrafos foram menosprezados pela cultura ocidental e suas formas de se comunicar foram comparadas ao balbuciar. Se sua cultura não tem escrita, então ela é inferior! O inglês tinha um lindo conjunto de letras – eram estrangeiras, mas decodificavam e organizavam a escrita. Mas a vocalização do galês muitas vezes não se adaptava as letras greco-latinas, porque haviam particularidades sonoras que não podiam ser trazidas a tona pelos alfabetos estrangeiros. Um claro problema se estabeleceu: era preciso se materializar uma vocalização.

Conhecido pelo pseudônimo Iolo Morganwg, Edward Williams foi o agente histórico há três séculos que possibilitou trazer através da paixão acalorada por seu país um conjunto de estudos, práticas, liturgias e estruturas contribuindo para a revalorização da cultura e língua do País de Gales. Isso foi possível também graças ao empenho deste pedreiro e poeta que trouxe de volta a figura dos Bardos da Bretanha, num ambiente onde afloravam também entre seus compatriotas sentimentos de pertencimento através de estudos linguísticos, sociedades de declamadores de poesias, resistências e revoluções. Fica claro na leitura que esse personagem da história não trabalha solitariamente, mas seus sonhos iam além do que declamar poesia para alguns burgueses que substituíam o estandarte dos nobres, esses últimos indo à total falência naquele momento. O sonho do bardo que brandia dentro do coração de um simples construtor era de retomar os antigos Eisteddfodau (assembleias bárdicas) e espalhar da mais singela cidadezinha até os grandes centros urbanos a notícia da possibilidade de organizar suas Gorseddau (espécie de confrarias de bardos).

A leitura nos leva a compreender que Edward Williams desde muito jovem se deparou com os velhos bardos de sua região, os estudos de costumes locais através de sua família e com manuscritos e textos do qual era um ávido colecionador – ou criador de fontes próprias. Sendo um verdadeiro idealista de seu tempo descobrimos que esse jovem nascido em Glamorgan era um exímio bardo de corte, mas que nascera num tempo em que essa profissão estava morta. Não foi problema para tal que se passasse por Dafydd ap Gwilyn  – um bardo galês do século XII – e escrevesse poesias tão perfeitas na métrica assinando como se fosse o próprio. Assim também o fez com muitas de suas obras, utilizando-se de nomes de bardos antigos que pudessem sustentar e reanimar uma figura histórica que parecia definhar culturalmente. Em meio a viagens, contatos com sociedades de poetas, ideais progressistas à sua época, busca por manuscritos e forjaduras de outros, Edward Williams no equinócio de outono de 1792, proclamou diante de várias pessoas e amigos em Primrose Hill a fundação de sua gorsedd de Londres – daí em diante levando a uma avalanche de outros acontecimentos do qual o tornaram uma figura promissora no renascimento druídico moderno.

Um de seus mais intrigantes manuscritos se chama Coelbren y Beirdd (Coelbren dos Bardos) publicado após alguns anos de sua morte por seu filho, Taliesin Williams e também presente na Barddas publicado por J. Williams ab Ithel. Sugeriu-se a época que o alfabeto Coelbren era autêntico e concentrava em si mesmo os antigos segredos dos bardos da Bretanha. Porém muito se questionou sobre tal academicamente, pois não havia provas concretas dos manuscritos dos bardos renomados de outrora que eram evocados para a defesa dessa afirmativa. Mas o alfabeto foi utilizado de diversas formas (em quadros, portais, marcos, etc.), e de certa maneira retomaram o orgulho de poder representar a sonoridade do galês através de símbolos que foram tidos como ancestrais, que podiam ser talhados em madeira como os antigos druidas faziam. A base para a criação do simbolismo foram possíveis através da releitura das runas, do alfabeto grego e do próprio ogham. O livro nos traz o conjunto de 24 letras, mas é possível ver nas obras de Iolo Morganwg uma grande variação. Independente da veracidade ou então, como John Michael Greer nos comenta, da necessidade de “pedigree”, o alfabeto Coelbren resgata fortemente elementos da herança druídica de pelo menos trezentos anos e não podemos negligenciá-los. Assim “é quase tão genuíno como os alfabetos de J R R Tolkien”, como nos afirma John B. Hare – fundador do site Sacred Text Archive.

Oráculo dos Bardo

O Alfabeto Coelbren, assim como o Ogham, tem como possibilidade na contemporaneidade de ser utilizado como instrumento de divinação – arte de adivinhar, de antever acontecimentos, de predizer e buscar respostas de aspectos no tempo e no espaço através da intuição. Todos nós sabemos que um jogo divinatório (tarô, runas, búzios, entre outros) não é um mero agrupamento de símbolos e imagens irresponsáveis, mas sim um profundo conjunto de arquétipos do inconsciente humano que nos levam ao contato com respostas interiores.

No tarô encontramos as imagens e representações. Nas runas nos deparamos com símbolos e significâncias míticas. Nos búzios temos o movimento e a localização como interpretação. No ogham a força das árvores no bosque. E no Coelbren? Qual seria o motriz desse sistema divinatório? A resposta está no poder da fala, na magia que vem do som das palavras, na cultura oral. No Coelbren o que importa mais é a vocalização, o efeito sonoro, a criação da vibração no universo, enquanto que o símbolo é apenas uma forma onde de imprime a música primordial em vinte e quatro notas diferentes da língua galesa. As cordas vocais, assim como as cordas de uma harpa, passam a ser o instrumento bárdico de profecia – a voz como máxima, do qual a inspiração das musas pode se manifestar.

No texto de John Michael Greer podemos encontrar formas para construir seu jogo de Coelbren, podendo utilizar de impressão de cartas, gravação em varetas de madeira, em peças “estilo dominó” ou em sementes. É relevante que seja um material durável e de qualidade, que mostre o símbolo com clareza. Você também pode construir um tabuleiro ou costurar/tecer um pano ou saco onde poderá realizar a leitura em cima deste, delimitando um espaço mágico e sagrado. O livro oferece a nós um vislumbre sobre como dispor esses símbolos para leitura, apresentando métodos baseados no mundo céltico galês como a Leitura Simples, dos Três Raios de Luz, o Caldeirão de AnnwnGwydion e os Porcos, a Cruz Celta.

O autor também propõe práticas meditativas com visualização de portais dolmênicos onde adentramos como passagens para a internalização da força de determinada letra e vocalização das letras como mantras, uma importante prática para sentir a vibração dessas letras e quais efeitos causam no corpo, no ambiente e na consciência. É uma obra muito completa com a teoria e metodologia necessária para colocar as chaves desse alfabeto a dispor do nosso dia-a-dia.

O Alfabeto Coelbren e seus Significados

Abaixo as letras que foram estudadas e trazidas pelo livro, assim como sua correspondência ou similaridade sonora e seus significados possíveis. Lembrando que toda e qualquer leitura de um oráculo depende da forma de tiragem, assim como combinação das peças e a intuição de quem faz a leitura sobre o consulente ou uma questão.

Correspondência: A

Significado: Prosseguimento, continuidade, constância em um mesmo estado ou condição, seja de movimento, ação ou descanso. Representa fluidez, ou seja, um caminho aberto e tranquilo para o objetivo perguntado na consulta. Aconselha a continuar a trilhar o caminho ou continuar a fazer o que está a ser feito no momento sobre a situação, pois é uma direção certeira ou a melhor decisão a ser tomada. A primeira letra representa a porta do alfabeto, a passagem está livre.

Correspondência: E

Significado: Movimento interrompido ou quebrado, uma condição indireta, negativa ou distorcida. Expressa uma parada ou interrupção, a necessidade de mudar a direção, aconselha mesmo a desistir de um projeto, ideia ou ação. Pode representar um obstáculo físico, mental ou sutil. Quando essa letra aparece em uma leitura está a nos alertar que devemos redirecionar nossos esforços sobre a questão perguntada para alcançar o objetivo final.

Correspondência: I

Significado: Comunica a cerca de uma reorganização das coisas para seu devido lugar, encaixando-se, unir-se, tornando-se parte ou pertencendo a algo. Representa o movimento do consulente à alguma coisa ou objetivo, como a busca por um emprego, por um relacionamento, por uma comunidade. Indica um desejo de pertencimento, de subordinação, de chegar a um destino. Aconselha a dar o seu melhor, mesmo que seja trabalhoso, pois o resultado de um bom projeto é positivo no fim.

Correspondência: O

Significado: A mensagem dessa letra nos diz sobre desapego, deixar ir, desfazer-se, separar-se de algo ou alguém, desistir e se livrar de aspectos que não nos são mais necessários. Aconselha um afastamento sobre a questão – exemplo: sair de um relacionamento, transpor uma fase da vida traumática, desistir de um projeto, etc.. Diz claramente que é hora de olhar para outras direções, expandir suas perspectivas deixando que as situações que não são mais válidas na sua vida terminem, libertando-se das suas amarras.

Correspondência: W
 
Significado: As palavras-chave para essa letra são divergência, divisão, classificação, escolha, decisão, posicionamento. Comunica que é preciso ponderar sobre a questão, prestar atenção nas alternativas diferentes, na abundância de possibilidades e nos lados que se apresentam, pois é um momento de fazer escolhas. Aconselha a estudar cada oportunidade que se apresenta e as capacidades que se tem para chegar ao que se quer, pois a decisão que será feita é importante e terá que se conviver com ela. 

Correspondência: Y

Significado: A letra nos fala sobre um estado de equilíbrio, neutralidade, suspensão, pausa, parcialidade, falta de envolvimento. Representa que a ação deve ser adiada, não sendo uma hora adequada para tomar decisões e sim para realizar uma meditação e esperar o momento ideal. Acerca de algo ou alguém, comunica que haverá atrasos, incertezas, frustrações e indiferença. Também aconselha a não se preocupar com resultados imediatos, pois será um gasto de energia desnecessário.

Correspondência: U

Significado: Totalidade, unidade, integridade, conclusão, algo ou alguém estabelecido, estável, coisas ou ações que tem seu lugar. Comunica que a questão já tem uma base, está em um plano maior, já está inclusa ao todo, que está completa ou a caminho de ser conclusa com êxito. Lembra que somos parte do todo. Em relação a algo ou alguém, pode representar uma posição forte, do qual não se pode ou tem como influenciar. Também pode representar que a pergunta foi muito geral e não se pode responder de forma direta.

Correspondência: B

Significado: Existência simples, estado ou condição de estar no mundo, percepção, aquiescência. O que está estabelecido não irá mudar, não importa o que façamos – o melhor a ser feito é nos adaptar a situação. Comunica que devemos continuar a agir conforme a regra e não tentar mudá-la. Caso seja algo ou alguém, representa que isso ou essa pessoa não está aberta a mudança. Aconselha a aprender a viver e conviver com o que está disponível no “aqui e agora”, em essência, buscando sua mudança interna.

Correspondência: C

Significado: Alcançar alguma coisa, um braço estendido na direção do que se quer, aprender e compreender algo, segurar, conter. Comunica-nos que estamos prestes a tomar consciência daquilo que é nosso por direito – seja positivo ou negativo, tudo depende de como aceitamos o que iremos agarrar à frente. Alguém ou algo está tentando nos alcançar ou devemos mover-se em direção ao cerne de nossa questão. A sonoridade dessa letra se mantém no ar numa vibração que lembra uma mão estendida em busca de uma direção.

Correspondência: D

Significado: Movimento de liberação e expansão. Desdobra-se, abrir a possibilidade para o novo. Sinaliza um momento de doação, de abrir mão de algo ou alguém, olhar para os outros lados da vida onde podem existir melhores resultados. Pode significar também que estamos doando energia demais em algo desnecessário, como um problema ou discussão. Tomemos cuidado! Ou ainda mostra um processo de divisão de algo ou alguém desejado. A pergunta é: estamos recebendo de volta o que está sendo doando? Há reciprocidade?

Correspondência: Ff

Significado: Um sopro que dá impulso. Causa, ímpeto, fonte inicial, essência, colocar algo em ação. Informa-nos que nada irá acontecer a não ser que movimentemos. Vale a pena lembra-se das origens ou o porquê tudo isso começou. É preciso também que olhemos para as forças ao nosso redor, aquelas que estão nos fazendo levar a situação adiante. Qual é a direção do vento que está soprando as velas? É ai que está a causa e fonte da sua questão.  Essa letra pode sinalizar um pedido da busca por novas experiências em meio ao desânimo e inércia.

Correspondência: G

Significado: Sintonia, estar apegado a algo, um desejo, fome, apetite. Comunica que há uma relação mútua entre nós e outras pessoas ou questões envolvidas. Tudo está intimamente interligado como numa grande teia e uma mudança gerará efeito em cascata, do qual não é possível prever os resultados. Não significa que nós não devamos agir, mas que estejamos ciente das surpresas e do inesperado. Para uma ação há sempre uma compensação, um trabalho sempre precisa ser pago.

Correspondência: G

Significado: Sintonia, estar apegado a algo, um desejo, fome, apetite. Comunica que há uma relação mútua entre nós e outras pessoas ou questões envolvidas. Tudo está intimamente interligado como numa grande teia e uma mudança gerará efeito em cascata, do qual não é possível prever os resultados. Não significa que nós não devamos agir, mas que estejamos ciente das surpresas e do inesperado. Para uma ação há sempre uma compensação, um trabalho sempre precisa ser pago.

Correspondência: L

Significado: Fluidez, suavidade, leveza, um campo aberto, solução para os problemas, um movimento sem esforço como deslizar. Indica que a situação perguntada não requer esforço nenhum para fazê-la prosseguir. É um bom momento para deixar que a vida corra do jeito que é seguindo seu propósito e caminho. Pode significar também não temos controle sobre a situação. Não conseguimos segurar por muito tempo a areia fina ou a água, pois ambas escorrem entre os vãos dos dedos. É um bom sinal para se abrir à efemeridade, ao lado passageiro da vida.

Correspondência: M
Significado: Observar, Compreender (no sentido de abraçar, tomar o todo), cercar, capacidade de incluir muitos aspectos em um mesmo lugar, conter algo grandioso. Sinaliza que coisas grandiosas estão acontecendo ou podem acontecer na vida particular, profissional, familiar, como também nos recorda que tudo que fazemos ou decidimos fazer afeta a grande rede de relações que nos permeia. É preciso tomar cuidado com a possibilidade de estarmos sendo limitados ou reprimidos por algo maior ou quem sabe sejamos nós o motivo do controle de alguém. Necessário em sua jornada é olhar o quão grande e complexo é o universo numa vastidão de silêncio. 

Correspondência: N

Significado: Distinguir, identificar a agulha no palheiro, ver algo simples e pequeno que está escondido, apontar para um objetivo. Ao contrário da letra anterior, sinaliza algo menor que precisa ter a sua atenção despertada agora. As decisões do nosso futuro dependem muitos mais de nós mesmos do que dos outros e é preciso olhar para isso. Pequenas ações no seu mundo podem transformar toda uma rotina, uma forma de ser. É preciso distinguir momentos, pessoas ou objetos, ser capaz de organizar o seu lugar e aquele que pertence aos outros. O conselho está em tomar cuidado com os empecilhos que colocamos no caminho, pois uma pedra não é uma montanha.

Correspondência: P
Significado: Empurrar, penetrar, saltar ou estender. Uma saliência ou proeminência que se mostra com muita nitidez. Quando essa letra aparece denota que muitas transformações estão vindo, para bem ou para mal – tudo dependerá da interpretação que se fará. Algo está se rompendo e não mais será como antes. Pode ser um avanço positivo em direção de uma mudança na vida, como pode representar a quebra de um ciclo. Sinaliza que inevitavelmente precisamos agir e penetrar em águas mais profundas para obtermos aquilo que queremos, como o salmão em busca da avelã. 
Correspondência: R
 
Significado: Força, prevalência, superioridade, nobreza, uma ação vinda de alguém ou alguma coisa que seja o elo principal, mas também nos comunica sobre excesso, domínio, violência e danos. A palavra Rhiau em galês se refere à rei/rainha. Quando aparece em uma leitura indica que a situação passou do ponto em que apenas medidas sutis e suaves podem fazer o trabalho – será necessário ser mais enérgico, mandar. Sugere que se busque uma ação mais vigorosa sobre o assunto, pois há uma necessidade de dizer quem vencerá. Não há mais saída, o trabalho deve ser realizado. Mas é preciso saber com quem ou o quê estamos lidando, pois o outro lado pode ser forte o suficiente e ter mais poder de influência. É necessário buscar a soberania interior para a situação e a força dos deuses.
Correspondência: S
 
Significado: Inferioridade, sigilo, murmúrio, privacidade, um segredo ou conhecimento muito particular, insinuações, ações indiretas. O sussurro do “ssss” trás um aviso indireto de se calar, a fazer silêncio. Representa que é necessário ouvir mais do que falar, atentar-se a todos os assuntos antes de opinar. Para alcançar objetivos será preciso buscar meios indiretos, com discrição. A energia parece minada para alçar grandes voos. Evitar chamar muito a atenção para produzir os resultados desejados na questão. Não é momento de revelar, mas sim de guardar para si um segredo.
Correspondência: T
 
Significado: Tensão, puxão ou esforço, alongamento que leva para a finalização, anulação, fechar um processo. Indica que algo está chegando ao seu fim, está definhando, acabando. Em um relacionamento pode representar que não há como mudar o outro, em um emprego nos diz que a situação naquele ambiente foi longe demais. E mesmo que façamos tudo que for possível para continuar ali, nesse lugar confortável, a situação não durará muito. Tensionamentos entre pessoas ou com algo, estresses, rivalidades excessivas também a letra nos indica. Uma lança pronta para ser arremessada trazendo o desejo de arremate, desfecho, término. 
Correspondência: Dd
 
Significado: Essa letra delimita um território, um local, um reino, um campo de ação. Limite, superfície, interface marcando a fronteira de uma determinada força de influência. Informa que existe a presença de um limite do qual não se pode ultrapassar. A capacidade de afetar a situação está apenas em prestar atenção e aprender entre a diferença do que podemos influenciar e o que não pode. Pede-se que se concentre naquilo que se veio realmente fazer naquele lugar. Se estiver perguntando sobre alguém ou algo, representa que está fora de alcance. Também nos convida a olhar para o que já temos e quais é a nossa zona de domínio.
Correspondência: Ll
 
Significado:  Turbulência, confusão, perturbação, dificuldade em prosseguir, solidez, movimentos que requerem esforços. A sua vida está um mar tempestuoso. Estamos em um avião passando pela turbulência. Momentos difíceis são esperados e também devem ter algum aprendizado. Simplesmente aponta que muitas coisas estão ocorrendo em nossa vida de forma muito rápida, do qual não podemos acompanhar, achando difícil nos manter no caminho certo. É hora de pedir ajuda, evitar a confusão de ideias no meio dessa tormenta. É preciso seguir e passar por ela. 
Correspondência: F
 
Significado: Limitação, disciplina, proteção, estabilidade, manutenção da ordem, tutela, hostilidade às influência externas. Normalmente representa uma posição negativa a maioria das perguntas. Encoraja a uma atitude cautelosa em relação a qualquer evento perguntado. Aponta que outras pessoas podem estar se opondo a tudo o que estamos fazendo, avisando problemas em potencial dos quais precisam ser lidados de maneira firme, mas cuidadosa. Recorda a figura dos pais ou professores, que nos tutelam, lançam desafios que as vezes levam a frustração e buscam a nossa disciplina para nos ensinar a viver no mundo.
Correspondência: K
Significado: Conflito, dificuldade, oposição, obstáculos, interferência entre duas ou mais forças. A mensagem dessa letra nos diz que estamos em um momento crítico, como o chiado da interferência das ondas de rádio que se encontram e causam ruídos terríveis. Informa que será um caminho difícil e cheio de obstáculos até onde queremos chegar – mas não impossível. É o enfrentamento de uma luta ou contenda, mas o lado positivo é que temos como tomar as rédeas da carruagem para apaziguar a ira dos cavalos. A guerra normalmente se inicia quando os lados não foram escutados e compreendidos. Quem seremos no meio disso tudo? Devemos escolher com sabedoria. 

Referência bibliográfica dessa resenha:
GREER, John Michael. The Coelbren Alphabet. Primeira edição e versão original em Inglês. Woodbury, Minnesota: Llewellyn Publications, 2017.

Hugo Cezar Llewellyn Mawr
Professor de História e praticante da filosofia espiritual do Druidismo Moderno.

Nove Poderes
https://novepoderes.blogspot.com

Gorsedd Beirdd o Maracayu
https://gorseddomaracayu.blogspot.com

Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon : Caer Siddi e seus respectivos autores. Referências bibliográficas e sites consultados na pesquisa dos textos, clique aqui.

"Três velas que iluminam a escuridão:
Verdade, Natureza e Conhecimento." Tríade irlandesa.