Iniciando a Jornada

Por onde devo começar?

Muitas são as dúvidas que surgem quando decidimos seguir uma nova jornada espiritual. A dúvida é o princípio do caminho e o Druidismo emerge das sombras à luz da inspiração. Portanto, como devo caminhar? De forma solitária ou afiliar-se a um grupo ou ordem druídica?

Penso que todas as formas são válidas. Podemos seguir os passos daqueles que andaram sobre as mesmas trilhas antes de nós e irmos muito além. Experiências enriquecedoras que iremos adquirir ao nos unirmos a uma tribo, tendo consciência que a jornada é única e incomparável.

Acima de tudo, o despertar de qualquer busca espiritual começa na necessidade de repostas, sejam elas quais forem, motivados pelo amor ou pela dor – um clichê bem comum, mas que se encaixa perfeitamente neste contexto. A única ressalva é que, normalmente, nos sentimos sensibilizados e acabamos por aceitar muitas inverdades encobertas pelas lentes cor-de-rosa do romantismo.

A beleza do caminho está na poesia da alma. Somos criaturas amorosas por natureza e até inocentes em muitos aspectos, tornando-nos pressas fáceis do misticismo enganador. Sendo que a sabedoria de discernir virá apenas com o tempo. Um tempo que não pode ser medido de forma linear. Por isso, volto a frisar que o conhecimento é libertador, pois ele nos dá a opção da escolha.

“O Druidismo é uma religião natural da terra.” – Philip Carr-Gomm.

Sabemos que toda religião natural de um povo é inerente ao termo conhecido hoje como paganismo. Por exemplo, no Japão temos como religião natural o Xintoísmo, que é o paganismo japonês e na Índia, o Hinduísmo ou o paganismo indiano.  Porém, aqueles que seguem o paganismo celta, como o Druidismo e o Reconstrucionismo Céltico, reconhecem esse chamado natural da terra através das suas práticas diárias junto aos Deuses, Ancestrais e Espíritos da Natureza, além do estudo da história, arqueologia, antropologia, dos mitos e das lendas celtas.

Acredito que as lendas e os mitos tornam os nossos dias mais reais e cheios de magia, mas somente a dedicação e o estudo ampliam nossa visão sobre essa fascinante cultura; facilitando assim, a nossa jornada espiritual ao se diferenciar o fato da ficção. Para isso, há indicações confiáveis neste site (leia no rodapé), bem como dos diferentes grupos existentes no caminho druídico, além das várias tradições.

“Os mitos podem nos levar a descobrir mais sobre a nossa herança espiritual, e talvez a perceber alguns dos defeitos no desenvolvimento espiritual do mundo moderno. O estudo da mitologia não precisa mais ser visto como uma fuga da realidade para as fantasias por parte dos povos primitivos, e sim como uma busca pela compreensão mais profunda da mente humana. Ao nos aventurarmos em explorar as distantes colinas habitadas pelos Deuses, estaremos talvez, descobrindo o caminho de casa.” Uma descrição perfeita da historiadora Hilda Roderick Ellis Davidson.

A espiritualidade céltica: entre as folhas do tempo

Calma,  vá devagar e não tenha pressa. O caminho druídico é longo. Para ser um druida ou druidista – que se refere ao praticante que não exerce apenas o sacerdócio – requer anos de aprimoramento.

“Druida é uma pessoa sábia que estuda os contos antigos da cultura celta e aprende com sua filosofia; domina certas técnicas de memorização, observação e consciência; uma pessoa com habilidade no uso de som, visão, olfato, tato e paladar; um estudante das leis, Natureza e ciência; um líder de ritual, professor e um guardião dos valores celtas; poeta, cientista, advogado, sacerdote, filósofo e um forte defensor da verdade, da honra e da espiritualidade.” Searles O’Dubhain.

Aprenda a silenciar sua mente e medite próximo à natureza. Apure os sentidos e perceba todos os ritmos da terra. Observe às mudanças das estações e sinta como tudo ao seu redor tem uma linguagem própria. Os pássaros, os ventos, as árvores, a vegetação local, os ciclos lunares, o ritmo das marés e dos animais, mesmo os domésticos. A partir de agora você é o observador do caminho que está construindo ou re-construindo.

“O bosque sagrado são realidades do mundo manifesto e não-manifesto.” – Ian Corrigan.

Crie o hábito de anotar todas as suas percepções e sensações. Faça um diário de atividades, isso ajuda bastante no início. Anote também suas dúvidas, pesquise, vivencie e estude sobre os Quatro Grandes Festivais Celtas: Samhain, Imbolc, Beltane e Lughnasadh. Afine-se com a ancestralidade da tradição céltica, além dos ancestrais locais e da família em que nasceu. Essa é a conexão que nos une!

“Quando aprendermos a confiar, novamente, no fluxo deste antigo ritmo, encontraremos o equilíbrio na vida, unindo o interior e o exterior, o visível e o invisível, o conhecido e o desconhecido, o temporal e o eterno, o velho e o novo. Os celtas eram profundamente cientes da natureza circular em nosso meio. Esta estrutura segue o círculo da vida, na sua espiral em direção a transformação.” – John O’Donohue.

No centro do seu ser, reconheça os ciclos infindáveis da sua alma e a triplicidade da vida, onde vivificamos a imensidão dos Três Reinos: Céu, Terra e Mar. Sinta cada reino dentro de si. O ar que circula nos pulmões, a força que move os músculos e o sangue que flui por todo o nosso corpo.  Porque somos parte da natureza, assim como ela é parte de nós.

Envolva-se com projetos que defendam o meio ambiente e os animais. Seja um curador consciente, em todos os sentidos. Recicle, reutilize, reduza e se reorganize para viver melhor.

Medite e siga em paz entre os mundos… Estude, pesquise e questione sempre!

A meu ver, a intuição é a fonte que lhe trará boas inspirações nos primeiros passos rumo ao Druidismo moderno, com honra, verdade e lealdade. Bem como, às religiões consideradas como politeísta, panteísta e animista, ou seja, as religiões que respeitam a natureza como um ser divino, que possui espírito e cultuam vários Deuses e Deusas. E, finalmente, descubra o seu caminho de volta para casa!

Indicação de livros e sites para o estudo, clique aqui.

Publicado originalmente: 16/12/2012

Rowena A. Senėwėen ®
Pesquisadora da Cultura Celta e do Druidismo.

Website:
www.templodeavalon.com
Brumas do Tempo:
www.brumasdotempo.blogspot.com
Três Reinos Celtas:
www.tresreinosceltas.blogspot.com


Direitos Autorais

A violação de direitos autorais é crime: Lei Federal n° 9.610, de 19.02.98. Todos os direitos reservados ao site Templo de Avalon : Caer Siddi e seus respectivos autores. Ao compartilhar um artigo, cite a fonte e o autor. Referências bibliográficas e endereços de sites usados na pesquisa dos artigos, clique aqui.